8 de julho de 2012

A aprendiz

Não é que não seja belo
Nem que não satisfaça
O espetáculo torpe
Da mediana atriz

Sabe algumas falas
(Embora me tenha dito
Que as sabia todas)
Decora muito bem

Mas sua face retorcida,
Naquela tosca tentativa
De um riso a la Tchékov

Enjoa, não faz pensar
Lembra o ingresso pago
E assim suscita o ódio
Sibyl Vane que nem amou

Desce daí, que já se esgota
O prazer da cobiça
Encerra o ato
Que já me enoja a tua voz!

Tu nem rosa és!
Mero botão, que não suporta
Sangue de um Curinga

Não é que tenha sido precoce
A chegada daquele fim
Nem que desejasse
Uma peça rápida e vã

Mas uma "arte" dessas,
Enquanto me suja de cinza,
Toma meu tempo
Corrompe meu palco
E cansa
Muito mais do que ensina



Escrito em algum dia morno de maio de 2012.

Imagem: Neda's Entrance, by Sergio Lopez.