18 de março de 2012

De uma incoerência

É a noite que morre quieta
A conversa que se cala
O consenso na discórdia

Toque que virou lembrança
Memória, em desalento
Riso tornou-se o frio
Tremer ante um afago

Espaço demais, tempo de menos
Infinidade de sabores
Perdidos
Entre os teus e os meus dedos



Em um bloco de papel, n'algum dia da semana passada,
por volta do meio dia.

No silêncio do barulho urbano.

Imagem: Lynn, by Neo Innov.