8 de março de 2010

Cansaço

E lá se vai, andando
Corpo rijo, saboreia o frio
Recorda cada caco e estilhaço
Da turva janela que arrebentou

Desvia esquinas, somem postes
E lá se vai, voando
Alma leve, debilitada
Cansada de tudo, de si

Um breve aceno, com a mão
A ninguém, a nenhum lar
E lá se vai, na correnteza
De incolores sentimentos

E sentir a falta... que falta?
Se fechar os olhos e se soltar
É o que dá, que assim seja e amém
Pois de tudo, lá se vai, para o fim.

__________________________________________________
 
 Escrito no Jardim, em 03/03/2010, no completo silêncio.
 
"A mais ninguém... Cansado de tudo. De mim." 
 
P.S.: Um agradecimento à minha amiga Mariana, pela imagem.