17 de setembro de 2010

Tormenta

O que definir, e o que dizer
Do próprio lar a que pertenço
Se a cada passo e pensamento
Mergulho mais no esquecimento?

O que enxergar, e o que ouvir
Do entardecer em que adormeço
Se a cada verso e movimento
Perco mais o ar que acalento

Se das colinas nasce o perfume
Posso eu respirar o crepúsculo?
Das flores se não brota a noite
Me deitar posso no frio leito?

Sem saber, sem conhecer e ver
Porquês, caminhos e horizontes
Apenas sentir posso, a tempestade,
Cada gota, um cálice de sentimentos

O silêncio, e o que enfim pensar
Se o anoitecer me seduz e acalenta
Enigma! Labirinto? Peregrino?
Sou o que dorme em plena tormenta.


_____________________________________________________________

Escrito em páginas dispersas, em 23/08/2010.

Ouvindo Loreena McKennitt.

Foto: Núcleo Cunha/Indaiá do Parque Estadual da Serra do Mar.
Cedida por Fernanda Campos.