4 de julho de 2010

Frutos


Guarde contigo tuas dores,
como viajante que carrega sua bagagem.
A percorrer um caminho que carece de sentido.

Deixa-as jogadas dentro de si,
objetos abandonados de uso
Incômodo, estorvo, inconveniente.

Lave-os velhos sensos,
com lágrimas novas.
Aqueça teu coração,
com lágrimas quentes.

Pequeno mochileiro,
caminheiro de vagos pensamentos,
sonhador de imensos universos.

Que sentimentos são estes que te pesam?
Sentimentos são assim,
Guarda-os para si e nada além.
Esqueça-os até que podres
Deixem de vingar.